Um galego no Império Pequeno

Além da linha inimiga

February 23rd, 2007 at 3:46 pm

Da Gardunha à Corunha

Via Toponímia Galego-Portuguesa e Brasileira

Tenho evitado falar da Corunha, tantas e tão contraditórias são as hipóteses etimológicas para a capital provincial galega cujo nome é, seguramente, o mais antigo das quatro. e tamém não será desta vez que trato do assunto como deve de ser. mas, numa nova visita à Cova da Beira, vim cos ouvidos de dentro a ressoar -unha”, “-unha”, “Gardunha”, “Corunha”. que é que querem? uma cousa alembra a outra…

esta terminação ou sufixo “unha” (ou “uña”, se quiserem – pra mim é igual) é muito rara na Toponímia galego-portuguesa e tem o condão de parecer acentuar a altitude do lugar. é pré-indo-europeia, talvez da família do actual euskera.

quer dizer que estaríamos na presença de dois orónimos, em que “Cor-“,”Cr-” apontaria para a presença de um núcleo populacional amuralhado no alto de um monte (é o caso d’A Corunha, ou d’A Crunha) e “Gard-” apontaria para a ideia de “Vigia”, “Vela”, “Aveleira” (é o caso da Gardunha).

deixo esta nota aqui, para cá voltar cando me pete.

-
2